Muito lentamente, consegui perceber que eu sentia medo | Mensagem diária 29/jan

Sempre me achei tão corajoso porque era capaz de todo o tipo de bravatearia. Antes da recuperação eu tinha conceitos bem equivocados de sentimentos humanos. Especialmente os meus. Eu me conhecia muito pouco.
Comecei com o passo 1, admitindo.
Era desagradável admitir que eu tinha limitações.
Era assustador admitir que eu não tinha o poder que fingia ter.
Mas o passo 1 me ajuda a perceber. E perceber é uma arma muito poderosa para a mudança. Fui mapeando minhas atitudes, minhas respostas e comportamentos. Pela primeira vez em toda a minha vida comecei a observar a mim mesmo em vez de copiar os outros.
Muito lentamente, consegui perceber que eu sentia medo. Era uma fraqueza que eu sempre negava sentir. Até decidir me soltar e observar aquele medo. Definir se ele era imaginário ou real. Se era justo ou irracional. Cortando meus medos em pedaços pequenos para poder analisá-los eu ia compartilhando com meus companheiros; e, para meu grande espanto o medo ia perdendo sua força e seu vigor e melhor de tudo os meus medos começaram a perder a utilidade de produzir em mim toda aquela adrenalina que me fazia surtar e reagir com luta ou fuga.
Ainda existia um monte de situações que eu teria que resolver; mas escrevendo sobre meus medos em um caderno enxergando-os como meras ferramentas de sobrevivência, eu; pela primeira vez em minha vida, descobri que podia escolher:
Sentir medo e sofrer apavorado e acabar me refugiando nos vícios; ou, regozijar-me na fé intensa recém-descoberta.

Meditação para o dia
Admiti que sentia medo. Acreditei que Deus tem poder de remover o medo e me conceder coragem. E minha fé é meu antídoto contra o medo.

Narração – Christian Simon
Edição – Tuco Silva
Produção – Marta Lima

© Videobes 2017

Na Categoria Meditações
Assista Também

Deixe seu comentário

Facebook
Twitter