Quando estava convencido que era o fim; estendeu-se uma mão e me segurou | Mensagem diária 11/Set

Eu usava os vícios como tranqüilizantes, relaxantes, anestésicos.
Sofria fisicamente de várias dores. Sofria dores emocionais que analgésicos comuns não resolviam. Quando algo me dava alívio, seja bebida ou jogo ou qualquer outra forma de alívio eu ficava obcecado em pouco tempo, e logo entrava no carrossel do vício=culpa=acobertamento=mentiras=mais vício.
Para romper essa cadeia destrutiva de eventos, foi preciso um poder superior a mim para me guiar até o caminho de saída.
Quando comecei a fazer reparações, mesmo as mais tímidas e insignificantes, comecei a me sentir uma pessoa honesta e uma pessoa do bem. Isso me deu uma energia tão poderosa que fui capaz de perceber o quanto eu me chicoteava e me castigava porque estava convencido que era uma pessoa podre. Crescer em um lar alcoólico me fez acreditar que eu não merecia uma vida boa; por mais que eu desejasse muito. Era como se eu estivesse naufragado agarrado a um toco e avistava de longe o que parecia ser a terra, mas nunca era. Então achei que já que não ia me salvar mesmo, já que jamais teria uma vida rica, sadia, feliz e bem sucedida, eu devia abreviar aquele sofrimento de fracassado e me suicidar.
Parece ironia; mas foi verdade. Quando estava convencido que era o fim; estendeu-se uma mão e me segurou firme e quando abri os olhos eu estava em terra firme. Foi a mão de um membro de 12 passos. Comecei a praticar e quando cheguei ao passo 9, as coisas prometidas começaram a acontecer.

Meditação para o dia
O passo 9 é o marco das promessas. Algumas se cumprem logo outras demoram; mas todas se tornam reais se praticarmos até o passo 9.

Narração – Christian Simon
Edição – Anderson Cavalcante
Produção – Marta Lima

© Videobes 2016

Na Categoria Meditações
Assista Também

Deixe seu comentário

Top da Semana

Sorry. No data so far.

Facebook
Twitter