Tudo o que eu fazia resultava em críticas | Mensagem diária 16/jan

Carreguei o fardo da culpa durante muitos anos. Quando criança achava que se meus pais brigavam a culpa era minha ou qualquer ambiente pesado e de discórdia de alguma forma era minha responsabilidade. Até os castigos e punições eu me sentia culpado e de certa maneira merecedor daquilo. Quando eu era ridicularizado e esculachado achava que era justo porque eu era de fato burro e insignificante. Vivia em permanente angústia procurando sentir medos que eu nem sabia por qual motivo me sentia tão culpado.
Ao me tornar adulto fiquei muito inseguro e tudo o que eu fazia resultava em críticas e eu tinha a sensação de que não conseguiria fazer nada certo. Fui me encolhendo e tentando viver cada vez mais invisível para não ser criticado.
O passo 1 me ajudou a perceber a diferença de quando realmente tinha responsabilidade e quando não. Me ajudou a admitir que vivia dominado pelo medo e culpa, mas minha arrogância me arrastava para uma vida de negação. E toda minha negação se transformava numa permanente frustração e ressentimento. O passo 1 também me ajudou a romper a negação e enfrentar o medo da reprovação.
Evitando a primeira dose, o primeiro gole, a primeira briga; fui recuperando minha sobriedade física e emocional. Dono de minhas escolhas; fui fazendo uma coisa certa atrás da outra, mas desta vez sob meus critérios e sob minha aprovação. Comecei a avaliar meus atos e se errava, eu reparava e dessa forma consegui separar todas as coisas que eram de minha responsabilidade daquelas que não eram. Admitindo, reparando e me desligando de tudo que não me pertence; a culpa foi desaparecendo.
Ainda hoje tenho a tendência a me sentir culpado. É um sentimento sofrido de que deixei de fazer alguma coisa ou que fiz algo que não devia ter feito. Então me recolho e converso com Deus e me entrego. Faço isso repetidamente porque hoje sei que a culpa destruiu coisas importantes que eu custei muito a conseguir. Muitas delas eu mesmo joguei fora porque a culpa me faz sentir que não sou merecedor de nada.

Meditação para o dia
Só por hoje, reconhecerei que a culpa é um sentimento definitivamente dispensável.
Eu me aceito eu me perdoo eu sou merecedor e digno da graça de Deus e da boa sorte da vida, e todas as bênçãos que estão chegando para mim são bem vindas!

Narração – Christian Simon
Edição – Tuco Silva
Produção – Marta Lima

© Videobes 2016

Na Categoria Meditações
Assista Também

Deixe seu comentário

Facebook
Twitter